Rogério Marinho “escancara” portas do governo Bolsonaro para o Centrão

Via Agora RN
Único representante do Rio Grande do Norte no primeiro escalão do governo, o ministro do Desenvolvimento Regional, o ex-deputado Rogério Marinho, está “escancarando” as portas do seu ministério para o Centrão, grupo de parlamentares no Congresso Nacional que tem se aproximado do presidente Jair Bolsonaro nas últimas semanas.
Possibilidade criticada por Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018, a aproximação com o Centrão visa à sobrevivência política do presidente da República, no momento em que ele é ameaçado de um processo de impeachment. Para garantir uma bancada consistente no Congresso, o presidente tem oferecido cargos no governo para deputados do grupo, que é conhecido por práticas fisiologistas na política. A manobra é conhecida como “toma lá dá cá”.
Segundo um dos principais membros da equipe econômica do governo ouvido pelo site “O Antagonista”, depois do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), “outras estatais e autarquias cairão nas mãos” do Centrão por articulação de Rogério Marinho.
A direção-geral do Dnocs, primeiro cargo a ser entregue ao Centrão, é ligada ao ministério de Rogério Marinho. A nomeação de Fernando Marcondes de Araújo Leão para o cargo foi intermediada pelo líder do Progressistas na Câmara, Arthur Lira (AL), mas a indicação é, na verdade, do deputado Sebastião Oliveira (PL-PE). Sebastião foi alvo, na semana passada, de uma operação da Polícia Federal que apura possível desvio de recursos em uma obra em Pernambuco.
Outro cargo entregue ao Centrão a partir do Ministério do Desenvolvimento Regional foi a Secretaria Nacional de Mobilidade. Ligado ao partido Republicanos – que integra o Centrão, o advogado pernambucano Tiago Pontes Queiroz foi nomeado para o cargo na semana passada.
Além do Dnocs e da Secretaria de Mobilidade, também estaria em negociação o comando da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Na semana passada, o PSC indicou o novo superintendente da autarquia em Pernambuco: Carlos Fernando Ferreira da Silva Filho.
Na avaliação do membro da equipe econômica ouvido por “O Antagonista”, com a aproximação entre o governo e o Centrão, “estão cavando para tornar mais fundo o buraco em que nossa economia se meteu”.
Articulador político
A entrada do Centrão no governo Bolsonaro começa pelo ministério de Rogério Marinho pelo fato de o ex-deputado potiguar ter sido um dos principais articuladores do governo no início da atual gestão. Quando era secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, no primeiro ano de governo, Rogério articulou junto ao Congresso – com sucesso – a aprovação da reforma da Previdência. Antes, como deputado, coube a ele relatar a reforma trabalhista.
Racha entre Rogério e Guedes
A fala do membro da equipe econômica é mais um capítulo do conflito entre Rogério Marinho e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Os dois viraram desafetos após Rogério passar a defender o aumento de gastos públicos como estratégia para recuperar a economia após a crise do coronavírus. Paulo Guedes, por sua vez, quer manter a política liberal austera que tenta impor ao governo desde o início da gestão Bolsonaro.

Guedes e Rogério também estariam divergindo quanto à aproximação de Bolsonaro com o Centrão. O ministro da Economia seria contra a articulação, enquanto Rogério seria um entusiasta, por entender que a construção da base no Congresso é importante para que o governo avance nas pautas que deseja.
Em relação aos gastos, a mais recente disputa foi divulgada nesta segunda (11) pelo jornal Folha de S. Paulo. A publicação noticiou que Rogério Marinho negocia no governo a liberação de pelo menos R$ 8 bilhões neste ano para obras públicas a serem executadas por diferentes órgãos ligados a sua pasta.
Parte desse valor pode ser concedido por meio de emendas parlamentares, e ficar até mesmo fora do teto de gastos.
Segundo a “Folha”, a movimentação por mais recursos públicos gerou incômodo do ministro Paulo Guedes que tem criticado a tentativa de se usar o Tesouro para ações não ligadas diretamente à pandemia do coronavírus.
“Se existirem divergências [com Guedes], são de visões de Estado ou algo parecido. Nada pessoal”, disse Rogério há duas semanas.

Postar um comentário

0 Comentários