sexta-feira, 10 de setembro de 2021

Apoiadores cobram ataques, mas Bolsonaro diz ter que dar exemplo: "Deixa acalmar"

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse ontem ter sido cobrado — sem especificar por quem — a manter os ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal) e rebater as declarações do ministro Luiz Fux, presidente da Corte, que reagiu às ameaças de Bolsonaro feitas durante os atos no 7 de setembro.

Bolsonaro também minimizou as críticas feitas por apoiadores à carta que divulgou mais cedo, em que disse nunca ter tido intenção de agredir qualquer um dos Poderes, e pediu "calma" aos seguidores, citando o fato de que o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3), registrou alta de 1,72% após a publicação do texto.

"Queriam que eu respondesse o presidente do Supremo, Fux, que fez uma nota dura. Também usou da palavra o Arthur Lira, [presidente] da Câmara, o Augusto Aras, nosso procurador-geral da República. Alguns do meu lado aqui, alguns poucos, vieram até com o discurso pronto: 'Tem que reagir, tem que bater'. Calma, amanhã a gente fala, deixa acalmar para amanhã", disse o presidente, durante sua live semanal.

Nós temos que dar exemplo aqui em Brasília. Por mais que eu ache que você está fazendo a coisa errada, dá um tempo, deixa acalmar um pouquinho. Comecei a preparar uma nota... Telefonei ontem à noite para o Michel Temer, ele veio a Brasília, por dois momentos conversou comigo aqui, pouco mais de uma hora. Ele colaborou com algumas coisas na nota, eu concordei e publiquei. Não tem nada de mais ali.

Fonte: Portal Grande Ponto

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Postagem mais vistas