Pular para o conteúdo principal

PI 072813 (02)

PI 072813 (02)

Torreão FM web

PI 072813 (01)

PI 072813 (01)

ALRN PI 011818 28 03 24

ALRN PI  011818   28 03 24

LAPAC JOÃO CÂMARA - 3262-3478 - 99401-7616

GOVERNO DO RN

GOVERNO DO RN

Em Natal, Ministério Público investiga Hapvida por suspender atendimento a pacientes.


Imagine pagar mensalmente um plano de saúde para, quando precisar, ser deixado na mão. Essa foi a denúncia que chegou ao Ministério Público do Rio Grande do Norte e fez a instituição abrir um inquérito civil para apurar o "abandono" praticado pela Hapvida a quem ela deveria segurar. 

Segundo o que o Portal 96 teve acesso, o caso chegou ao promotor de Justiça Sérgio Luiz de Sena, da 29º Promotoria de Justiça de Combate aos Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica, Relações de Consumo e na Defesa do Consumidor.

O inquérito apura, basicamente, "possível irregularidade praticada por parte da operadora HAPVIDA consistente na suspensão unilateral dos atendimentos terapêuticos prestados com o método Análise Aplicada do Comportamento (ABA) aos pacientes com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), que ocorriam na Clínica Afeto e na Clínica Restaure".

PROBLEMA NACIONAL

Vale destacar que, apesar do MPRN está investigando a prática em Natal, a reclamação contra a Hapvida parece ser nacional. Em novembro do ano passado, o MP do Ceará conseguiu na Justiça que o plano de saúde ofereça atendimento integral a crianças com TEA, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. 

Em Sergipe, o juiz Anderson Clei dos Santos determinou que a Hapvida disponibilize tratamento especializado para uma criança portadora do transtorno. 

HAPVIDA NATAL

No ano passado, esse problema já havia motivado até um protesto em frente a uma das sedes do plano de saúde. Por meio de nota, a Hapvida afirmou que "está sempre disposta a ouvir as necessidades dos seus clientes e acredita que todo o atendimento passa por um processo constante de aperfeiçoamento. A companhia vem ajustando e ampliando o serviço de atendimento aos pacientes com diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA), e está em permanente diálogo com as famílias dos pacientes. A operadora assegura que as terapias necessárias continuarão sendo ofertadas aos pacientes no Rio Grande do Norte."

Comentários