Pular para o conteúdo principal

PI 072813 (02)

PI 072813 (02)

Torreão FM web

PI 072813 (01)

PI 072813 (01)

ALRN PI 011818 28 03 24

ALRN PI  011818   28 03 24

LAPAC JOÃO CÂMARA - 3262-3478 - 99401-7616

GOVERNO DO RN

GOVERNO DO RN

Gordura abdominal pode aumentar o risco de Alzheimer


O acúmulo de gordura abdominal já foi relacionado a vários problemas de saúde, como o risco de doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e problemas nas articulações.

Um estudo publicado na revista Obesity, nessa terça-feira (27/2), mostra que as pessoas de meia-idade com histórico familiar de Alzheimer e maior quantidade de gordura nos órgãos abdominais tinham maior tendência a apresentar mudanças no volume cerebral e declínio da função cognitiva.

De acordo com os autores do estudo – pesquisadores da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos – a associação seria ainda maior para os homens do que para as mulheres.

Relação entre gordura abdominal e Alzheimer

O estudo foi conduzido com 204 voluntários de meia-idade saudáveis, filhos de pacientes com Alzheimer. Os pesquisadores analisaram a concentração de gordura no pâncreas, fígado e abdômen a partir de exames de ressonância magnética. Os voluntários também passaram por testes de avaliação cognitiva.

“Em homens de meia-idade com alto risco de doença de Alzheimer – mas não em mulheres – maior gordura pancreática foi associada a menor cognição e volumes cerebrais, sugerindo uma potencial ligação específica do sexo entre gordura abdominal distinta e saúde cerebral”, detalhou o pesquisador Michal Schnaider Beeri, principal autor do estudo.

A equipe desconsiderou a medida convencional do índice de massa corporal (IMC) como principal medida de avaliação de riscos relacionados à obesidade. Eles defendem que a medida não leva em consideração a distribuição da gordura corporal.

“Os depósitos de gordura abdominal, em vez do IMC, devem ser avaliados como um fator de risco para menor funcionamento cognitivo e maior risco de demência”, escreveram no trabalho.

De acordo com o cientista, os resultados da pesquisa destacam a importância de investigar as relações entre os depósitos de gordura, o envelhecimento cerebral e a cognição. Eles também abrem novas possibilidades de estudos sobre abordagens específicas para o sexo masculino para evitar o impacto da gordura abdominal na saúde do cérebro.

“Nossas descobertas indicam correlações mais fortes em comparação com as relações entre o IMC e a cognição, sugerindo que os depósitos de gordura abdominal, e não o IMC, são um fator de risco para menor funcionamento cognitivo e maior risco de demência”, afirma o cientista Sapir Golan Shekhtman, que também participou do trabalho.

Metrópoles

Comentários