sexta-feira, 2 de julho de 2021

Maia flerta com o PT, diz que Bolsonaro “encolheu”, e diz que pode “ajudar lula” nas eleições contra o atual presidente em 2022


O deputado federal Rodrigo Maia (sem partido), que presidiu a Câmara dos Deputados até janeiro deste ano, disse que pode ajudar Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no processo eleitoral de 2022. Em entrevista à revista Veja, Maia disse considerar um “aceno necessário” iniciar diálogos com um ex-presidente que lidera as pesquisas eleitorais e tem boas chances de figurar no segundo turno.

Maia teve um encontro com Lula recentemente e disse que, apesar da “boa conversa”, não acredita em uma aliança de imediato. Mas ressaltou que, em sua avaliação, é preciso se manter aberto à necessidade de uma grande união caso o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se apresente competitivo em 2022.

“Esse tipo de aproximação é um aceno necessário nos tempos atuais: todos no campo democrático devem conversar. O Lula está praticamente no segundo turno, é favorito em 2022 e nós, do centro liberal, não podemos ficar de fora, precisamos tratar do futuro do país. As instituições provaram resiliência contra o autoritarismo do governo Bolsonaro, mas podem vir a se enfraquecer na hipótese de um segundo mandato”. (Rodrigo Maia)

Questionado diretamente se existia alguma chance de apoiar Lula, Maia optou pela palavra “ajuda” e disse que tem interesse em conversar com o ex-presidente sobre o Brasil.

“Posso ajudar, sim”, disse Maia, citando uma aproximação com representantes da esquerda nos últimos anos. “Eu me aproximei da esquerda já durante o segundo mandato de Dilma Rousseff, para dar força à pauta econômica. Depois da queda do Eduardo Cunha, o PT me apoiou para conquistar a presidência da Câmara.”

“Bolsonaro encolheu”

Em relação à articulação de uma chamada “terceira via” para as eleições de 2022, Rodrigo Maia acredita que um eventual candidato precisa ter força para tirar votos de Jair Bolsonaro.

“O candidato para derrotar o petismo deve ser um nome capaz de tirar votos do presidente. E eles se concentram na extrema direita, em uma parte do segmento evangélico e no eleitor de classe média ressentido com a falta de perspectiva. A verdade é que Bolsonaro encolheu”, disse.

Maia afirmou à revista que, de antemão, ainda não há um favorito para ocupar esse espaço e que é preciso “juntar lideranças em torno de um projeto único”. Mas faz uma ressalva que a candidatura do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pode se impor.

“Antes de tudo, precisamos reconhecer que é impossível chegar ao segundo turno sem São Paulo — não dá para excluir o governador João Doria do processo. Se daqui a seis meses Doria tiver recuperado a popularidade, é ele o candidato. Mas, dentro desse campo, outros devem participar, como Tasso Jereissati, Eduardo Leite, Rodrigo Pacheco e Luiz Henrique Mandetta”, disse à Veja.

Ciro Gomes e Luciano Huck

Na entrevista, Rodrigo Maia ainda fez comentários sobre a situação de Ciro Gomes (PDT) nas eleições de 2022 e sobre a desistência do apresentador Luciano Huck lançar candidatura.

“A grande aliança para derrotar Lula e Bolsonaro passa, a meu ver, por um acordo entre PSDB e PDT. Só que, para isso, o Ciro precisa abrir mão de muita coisa que andou dizendo por aí, e também nós teremos de ceder para chegar a um ponto de equilíbrio”, disse.

Sobre Luciano Huck, ele lamentou. “Luciano tinha potencial para crescer no Nordeste e no voto popular, mas Lula ocupou esse lugar. E ainda havia à mesa a saída do Faustão da Globo, que abriu a janela profissional que ele sempre buscou. Seria um bom nome, mas é a segunda vez que deixa a gente na mão”, disse.

UOL

Nenhum comentário: