sábado, 6 de fevereiro de 2021

Nova técnica não invasiva de tratamento do câncer de próstata usa ondas sonoras para destruir tumores

A maioria das pessoas provavelmente já ouviu ou viu exemplos de ondas sonoras tão poderosas que podem quebrar vidros. Agora, um novo tratamento contra o câncer de próstata está usando o som para destruir esses tumores. A nova técnica não invasiva para o tratamento de câncer de próstata concentra as ondas sonoras na área do tumor, aquecendo as células cancerosas até que sejam extintas.

“Os resultados até agora têm sido muito bons”, disse o Dr. Sangeet Ghai, da Universidade de Toronto em um comunicado à Sociedade Radiológica da América do Norte (Radiological Society of North America).

“Tratamos uma área menor com esse dispositivo, mas ainda assim obtivemos resultados muito bons. Ao mesmo tempo, os pacientes preservaram sua função erétil e urinária”.

Os pesquisadores dizem que o tratamento específico é mais eficaz do que a cirurgia ou a radioterapia, especialmente para pacientes cujo câncer ainda está confinado à próstata.

O ultrassom focalizado de alta intensidade (HIFU) tem como alvo o tecido da doença com a orientação de um scanner de ressonância magnética. Uma sonda é colocada no reto do paciente enquanto ele está sob anestesia geral. Em seguida, ele envia as ondas sonoras intensas para o local do tumor. Não há agulhas ou cortes na pele.

prostata imagem Nova técnica não invasiva de tratamento do câncer de próstata usa ondas sonoras para destruir tumores
Imagens de um homem de 69 anos com câncer de próstata de pontuação de Gleason 7 (3+4) confirmado por biópsia. Os slides mostram a evolução do tratamento do câncer; do tumor até estar livre da doença após terapia de ultrassom (f). Todos os 7 núcleos das margens da área de tratamento foram negativos para câncer na biópsia. (Crédito: Radiological Society of North America)

As células cancerosas na área são mortas com o calor que essas ondas de ultrassom criam, deixando o tecido saudável à parte. O procedimento leva cerca de quatro horas para ser concluído. Os autores do estudo dizem que procedimentos semelhantes são usados para o tratamento térmico apenas pela orientação do ultrassom. O novo método, direcionando o procedimento por ressonância magnética, é uma operação mais precisa.

“Ao combinar o dispositivo de ultrassom focalizado de alta intensidade com a ressonância magnética, podemos direcionar nosso tratamento para o local exato, porque somos capazes de identificar com precisão onde está o tumor”, explicou o Dr. Ghai.

Os pesquisadores completaram o tratamento em 44 participantes com câncer de próstata. Nenhum dos pacientes apresentou quaisquer reações adversas e, mais importante, as biópsias em 41 homens (93%) voltaram completamente livres da doença cinco meses depois.

O câncer de próstata é o câncer mais comum em homens. A American Cancer Society (Sociedade Americana do Câncer) estima que cerca de 250.000 novos casos serão diagnosticados nos Estados Unidos até 2021.

O estudo, publicado na revista Radiology, é o primeiro a combinar ultrassom com exames de ressonância magnética. Embora isso exija experiência, recursos e custos adicionais, os benefícios são inúmeros. O uso de ressonância magnética permite o “feedback térmico”, uma consideração importante, visto que uma temperatura de mais de 140 graus Fahrenheit (60℃) é necessária para matar o tecido canceroso

“A ressonância magnética quase instantaneamente fornece feedback sobre a temperatura que conseguimos atingir no local”, disse o Dr. Ghai. “Se a temperatura não for o que eu queria, posso reaquecer essa área para aumentar as chances de um tratamento bem-sucedido.”

Outro bônus é que a ressonância magnética pode mostrar se há vasos sanguíneos remanescentes na área. Este é um sinal de alerta de que o câncer não foi completamente erradicado.

A equipe de Ghai está aguardando aprovação dos EUA, da Food and Drug Administration (FDA) e da Health Canada. Eles dizem que o método é particularmente promissor como uma opção para um número significativo de pacientes que desejam proteger sua qualidade de vida e cujo câncer não se espalhou.

O autor principal do estudo estima que, de todos aqueles que se submetem a cirurgia ou radioterapia, cerca de 20 a 30% seriam elegíveis para tratamentos de som direcionados.

Tratamentos padrão do câncer de próstata e suas desvantagens

Nenhum comentário: