Pular para o conteúdo principal

PI 072813 (02)

PI 072813 (02)

Torreão FM web

PI 072813 (01)

PI 072813 (01)

ALRN PI 011818 28 03 24

ALRN PI  011818   28 03 24

LAPAC JOÃO CÂMARA - 3262-3478 - 99401-7616


Ricardo Salles pede demissão do Ministério do Meio Ambiente


SÃO PAULO – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) exonerou, nesta quarta-feira (23), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A informação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União, que informou que a saída foi a pedido do próprio comandante da pasta.

O cargo passará a ser ocupado por Joaquim Álvaro Pereira Leite, que atuava como secretário da Amazônia e Serviços Ambientais.

O movimento ocorre em meio a cobranças por parte de diversos atores internacionais, diante do aumento nos registros de desmatamento durante a atual gestão e de alegações de leniência com condutas ilegais.

Salles é alvo de inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), por supostamente ter atrapalhado investigações sobre apreensão de madeira.

Em maio, a Polícia Federal apontou operações financeiras suspeitas envolvendo o escritório de advocacia que tem em sociedade com a mãe, durante o período em que esteve à frente do ministério.

“Para que isso (a investigação) seja feita de forma mais serena possível, apresentei minha exoneração”, afirmou em breve pronunciamento à imprensa no Palácio do Planalto. Salles ocupava o Ministério do Meio Ambiente há dois anos e meio.

A gestão de Ricardo Salles foi marcada por polêmicas. Uma delas foi revelada após a divulgação da reunião ministerial de 22 de abril de 2020, ocasião em que o então ministro sugeriu que o governo aproveitasse a pandemia de Covid-19 para “passar a boiada”, aprovando mudanças nas regras ambientais.

Na breve manifestação nesta tarde no Palácio do Planalto, Salles exaltou ações adotadas pela pasta sob sua gestão e queixou-se da oposição a muitas iniciativas. “Experimentei ao longo destes dois anos e meio muitas contestações, tentativas de dar a essas medidas caráter de desrespeito à legislação, o que não é verdade”, disse.

O anúncio da troca na pasta também ocorre no momento em que o governo federal vê crescer a pressão provocada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia.

Mais cedo, em entrevista à CNN Brasil, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) disse ter alertado Bolsonaro sobre um “esquema de corrupção pesado” no Ministério da Saúde envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin, imunizante contra o novo coronavírus.

Apesar dos alertas, o governo federal seguiu com o negócio que envolveu um preço 1.000% superior ao anteriormente anunciado pela própria fabricante.

Comentários