BTemplates.com

Pular para o conteúdo principal



Aperte o play para ouvir

Mesa gigante entre Putin e Macron ocorreu por francês recusar teste de Covid para não ceder DNA aos russos, diz agência

O presidente Francês Emmanuel Macron decidiu não fazer um teste de covid antes de visita ao homólogo russo, Vladimir Putin, para não ceder material genético a Moscou, segundo a agência internacional Reuters.

O Kremlin teria oferecido duas opções: a realização de um teste do tipo PCR feito pelas autoridades russas e a permissão para se aproximar de Putin, ou a recusa do teste, com a condição de cumprir normas de distanciamento social mais rigorosas.

LEIA TAMBÉM: Rússia pede que Bolsonaro faça 5 testes de covid antes de encontro com Putin

Macron foi aconselhado a escolher a 2ª opção, segundo fontes de sua comitiva ouvidas pela Reuters. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, confirmou que Macron recusou o teste e disse que a Rússia não tinha problemas com isso, mas que isso significava ser necessária uma distância de 6 metros de Putin para proteger a saúde do líder russo.

Macron teria feito um teste de PCR na França, antes da partida, e um teste de antígeno já na Rússia, o que não era compatível com a exigência do Kremlin.

O gabinete de Macron afirmou que “os médicos que definem com ele as regras que são aceitáveis ​​ou não em termos de seu próprio protocolo de saúde”“Sabíamos muito bem que isso não significava aperto de mão e aquela mesa longa. Mas não podíamos aceitar que eles colocassem as mãos no DNA do presidente”, disse uma das fontes da comitiva à Reuters.

Por isso, a tradicional fotografia dos presidentes sentados lado a lado em poltronas não foi tirada no encontro. Os chefes de Estado foram posicionados um em cada ponta de uma mesa oval com 6 metros de comprimento. O tratamento distanciado valeu também para o presidente do Irã, Ebrahim Raise, que visitou Putin em 19 de janeiro.

Os líderes da Rússia e da França conversaram na última segunda-feira (7) sobre os impasses relativos à Ucrânia. Macron se apresentou como mediador do conflito na última semana, quando agendou reuniões com os chefes de Estado dos 2 países.

Poder 360

Comentários